Diárias de Viagem: o que os vereadores gastaram em 2017

Por LUCIANA ARCHETE

Advogada e Jornalista MG19681JP

Diárias de R$ 400,00 para viagens de um dia aqui na Zona da Mata (Cataguases, Ubá, Piraúba, etc…) são alguns dos exemplos que exibiremos nesta reportagem. A discrepância maior está na falta de prestação de contas, onde o servidor ou vereador que viaja em nome da Câmara Municipal só indica o local da viagem e o que foi fazer, não apresentando notas de gastos com combustíveis, hotéis, restaurantes ou lanchonetes, ou, ainda, com passagens de ônibus. Essa liberdade de prestação de contas faz com que o dinheiro do povo seja utilizado de forma exacerbada e sem controle.

Algumas destas “diárias” não informam, sequer, o local onde a pessoa viajou (servidor ou vereador), o que pode denotar total falta de controle na prestação de contas.

Todo subsidio desta reportagem veio do Portal da Transparência e pode ser acessado por todos os cidadãos, uma vez que é de fácil acesso a quem queira fiscalizar.

No mês de janeiro deste ano foram pagos R$ 8.780,00 em diárias feitas por assessores comissionados e vereadores. Março foi o mês que mais se gastou com este tipo de despesas, R$ 20.120,00.

A Mesa Diretora precisa estipular um gasto fixo e, quem usar a verba apresentar notas de consumo, combustíveis, passagens, hotel de hospedagem e até mesmo produtos de lanchonete e restaurante para começar a moralizar a situação. O que passar do teto estipulado o vereador, ou assessor, que viajar com recursos públicos devem arcar com o excedente.

Veja abaixo os gastos mensais dos Vereadores com diárias e, numa próxima reportagem, quanto cada vereador gastou e o que foi fazer em nome do legislativo.

 

A publicação na íntegra ou parte desta reportagem requer citação de fonte conforme legislação de Direitos Autorais em vigor.

Mês Gasto com Diárias
Janeiro R$   8.780,00
Fevereiro R$   8.800,00
Março R$ 20.120,00
Abril R$ 12.000,00
Maio R$ 19.200,00
Junho R$ 10.800,00
Julho R$   6.000,00
Agosto R$   2.800,00
Setembro R$   2.400,00
Outubro Não lançado no Portal da Transparência
Novembro Não lançado no Portal da Transparência
Dezembro Não lançado no Portal da Transparência

Minha Opinião

Faço uma pergunta aos vereadores. Os 17 eleitos e que representam nossa cidade. Em tempo de crise que assola a vida dos muriaeenses (dos brasileiros) já não era hora de economizar. Faltam recursos para a Educação, Saúde, Infraestrutura, Asfalto e, os nossos representantes (os edis) viajando, e muito, para Congressos, Seminários, Palestras e, colocando quase nada em prática do que foram aprender.

Afinal, alguns entram mudos e saem calados das sessões ordinárias, como se nada tivessem a dizer ou fazer. Alguns apenas votam o que o Executivo deseja.

Há como justificar gastos exorbitantes como estes?

Falta acessibilidade no Poder Legislativo. Plenário sem rampas. Escadas pra cá, pra lá.

Sessões não transmitidas por emissoras ou mesmo pelas redes sociais. A que ocorre é feita de forma amadora por um dos vereadores, permitindo que os eleitores possam assistir onde estiverem, mas, já é hora de serem transmitidas oficialmente.

É hora de gastar menos e modernizar mais.

Escola do Legislativo; Parlamento Jovem; Câmara do Idoso; Câmara Mirim; Câmara Itinerante; enfim, é hora dos vereadores trabalharem mesmo pelo povo. Afinal, alguns só aparecem nos dias das sessões.

Á que os vereadores viajam tanto para outras Câmara, para a Assembleia Legislativa, que vejam como ocorrem as sessões. Quem tem voz e voto é quem foi eleito.

Assessores e diretores apenas contribuem com os trabalhos, limitando-se a falar, fora dos microfones, o que deve ser feito. Aqui, alguns comandam até as sessões. Chegam ao disparate de bater boca com vereadores.

Afinal, manda quem tem mandato, ou não?

Que a Nova MESA DIRETORA que assume oficialmente dia 3 de janeiro de 2018 reveja todas estas questões e modernize o Legislativo Municipal de Muriaé.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *