EX-PREFEITO DE UBERLÂNDIA, GILMAR MACHADO, MOSTRA NÚMEROS QUE CONTRADIZEM ODELMO

O ex-prefeito de Uberlândia, Gilmar Machado, concedeu entrevista coletiva na última semana para apresentar o balanço consolidado das dívidas e orçamento do Município executado em 2016.
O ex-prefeito também apresentou um Relatório de Gestão Fiscal que foi entregue para a atual gestão da Prefeitura em 1° de janeiro e publicado no Diário Oficial do Município no dia 30 de janeiro.
Segundo ele, todas as dívidas do município, contraídas em seu mandato, foram empenhadas e reconhecidas e, com isto deveriam ter sido pagas por Odelmo Leão.
Segundo Gilmar, ele só reconhece os números que serão levados ao Tribunal de Contas do estado e à Câmara Municipal de Uberlândia, que deverá aprovar ou não. “Os números que estão apresentando não sei como conseguiram e de onde tiraram. Não reconheço esta dívida que dizem ter”, explicou.
Gilmar Machado, ex-prefeito, disse que os levantamentos foram feitos pelos servidores efetivos da Prefeitura e, portanto, não são ilegais ou irreais. “Se o prefeito atual conseguir provar no Ministério Público, no Tribunal de Contas e eles me questionarem irei provar que fiz tudo dentro da lei”, ressaltou lembrando que cabe ao atual prefeito, provar. “Não reconheço estes números. Porque não foram publicados estes números no Diário Oficial do Município”.
Gilmar machado acusa Odelmo Leão de fazer “palanque e jogar para a imprensa” com estes números. “Ele tem que provar”, afirmou.
Em Coletiva de Imprensa, Odelmo Leão, prefeito de Uberlândia, explicou que a dívida apresentada no começo de seu governo é em torno de R$ 285 milhões e R$ 92 milhões empenhados.
Odelmo disse que foram descontados os descontos de consignados e não repassados às empresas de crédito e, também, foram descontados dos servidores valores referentes à contribuição do Ipremu e, no entanto não foram repassadas. “Isto é apropriação indébita. E mais, ele deixou de fazer o repasse que cabe ao patrão pagar, no caso a prefeitura deve ao Instituto de Previdência dos servidores, milhões”, explicou.
Segundo o prefeito, os salários de dezembro e 13º serão pagos, mas terão que ser contabilizadas. “Os consignados da folha de dezembro foram pagos para que os servidores não fossem prejudicados por uma culpa do ex-administrador”.
Odelmo Leão lembrou que a partir de janeiro ele é o responsável. “As despesas com servidores devem ser quitadas dentro do próprio mês. Foi aprovada na Câmara Municipal esta lei e vou cumprir os servidores. Sempre tratei da melhor forma possível e procurarei a melhor maneira para atendê-los”, lembrando que em reunião com o presidente da Caixa foi possível. “Perante a lei não foi possível, antecipação, venda de folha, nada foi tentando. Estou buscando alternativas”, ressaltou.
O prefeito disse que entidades parceiras como Fundação Maçônica Manoel dos Santos, Missão Sal da Terra, SPDM e Fundasus não foram empenhadas. Foram dívidas contraídas por ele, ex-prefeito. Mas não empenhou, não reconheceu a dívida”.
Odelmo Leão disse que está buscando o melhor caminho, alternativa para sair da crise. Através de arrecadação própria, IPVA vamos conseguir. Sou um homem realista e com pés no chão, não farei besteiras a frente da administração de Uberlândia”.

gilmaração justiça

 

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
11 − 7 =