PARTIDO DOS TRABALHADORES PODE SER EXTINTO

Deputado Carlos Sampaio, vice-presidente jurídico do PSDB, anunciou que partido acionou a PGR para pedir a extinção do PT
Deputado Carlos Sampaio, vice-presidente jurídico do PSDB, anunciou que partido acionou a PGR para pedir a extinção do PT

O PSDB protocolou na Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE) na tarde da última quarta-feira, 20, uma representação para que seja investigado trecho de informações prestadas pelo ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró com pedido de uma ação de extinção do PT, isso caso sejam confirmados os fatos declarados pelo delator.

O argumento dos tucanos é que o eventual recebimento de dinheiro do exterior para uso na campanha presidencial do PT de 2006, conforme apontado pelo ex-diretor de Internacional da estatal, é vedado pela Constituição e gera como consequência a perda do registro partidário.

Em documentação entregue à Procuradoria-Geral da República, antes do acerto da delação, Cerveró disse que a campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de 2006 recebeu R$ 50 milhões em propina, oriundos de uma negociação para a compra de US$ 300 milhões em blocos de petróleo na África em 2005.

“A extinção do PT não decorre da nossa vontade, decorre de uma consequência legal”, afirmou o vice-presidente jurídico do PSDB, deputado federal Carlos Sampaio (SP), que anunciou a medida na sede nacional do partido. Na representação, o PSDB alega que “o recebimento de recursos de procedência estrangeira por partido político é ilegal, importando, quando comprovado o recebimento, cancelamento do registro e do estatuto do partido”.

A representação tem como primeiro objetivo gerar a investigação das informações prestadas por Cerveró. Apenas se confirmado o recebimento de dinheiro do exterior em 2006, é que tem início a ação de perda do registro partidário. A eventual extinção do PT não gera a perda de mandato dos políticos eleitos pelo partido. Neste caso, os eleitos pela sigla teriam que se filiar a outra legenda, segundo os advogados do PSDB.

 

Em resposta à Sampaio, o deputado petista Paulo Teixeira, vice-líder do governo na Câmara, publicou o seguinte texto:

 

Por que Sampaio não pede a extinção do PSDB?

 

É impressionante. Tanta coisa importante para ser feita e o tucanato continua fazendo de tudo para atrapalhar o Brasil. Quando a gente acha que a oposição de direita recobrou o juízo, depois de passar mais de um ano batendo na tecla do golpe, pumba: vem o Carlos Sampaio, líder do PSDB na Câmara dos Deputados, e inventa mais uma novidade para aparecer na mídia e tentar interditar o governo. Agora seu desespero ganhou a forma de uma representação protocolada por ele na Procuradoria-Geral Eleitoral, em Brasília, pedindo o cancelamento do registro partidário do PT, com base no depoimento de Cerveró (o mesmo que isentou Dilma e Lula de envolvimento nos episódios investigados).

Inconformado com a derrota nas urnas em 2014 (e olha que já estamos em 2016…), o deputado tucano investiu seu tempo pedindo a recontagem dos votos e, em seguida, a impugnação da eleição (como se a escolha de 54 milhões de eleitores pudesse ser desrespeitada a seu bel-prazer), tentou emplacar mais de uma denúncia de improbidade contra a presidenta Dilma (todas vazias), buscou o STF para que voltasse atrás em sua decisão sobre o rito do impeachment, e agora ressurge com essa pérola.

A desorientação do ilustre deputado é notória, assim como sua afeição por gerar e alimentar factóides.

Vale a pena aproveitar o início do ano para tentar melhorar o senso de localização de Carlos Sampaio. Um bom começo, na minha opinião, é lembrá-lo que o mesmo Cerveró em cuja delação ele se fia para pedir a cassação do registro do PT citou propina de US$ 100 milhões ao governo FHC.

Dólares, note bem, e não reais: o equivalente, hoje, sem contar a inflação, a pelo menos R$ 400 milhões. Também seria oportuno lembrá-lo das acusações feitas a seu amigo Eduardo Cunha, uma por uma. Curioso que Carlos Sampaio não tenha ido à Procuradoria-Geral Eleitoral para pedir a cassação do registro do PSDB, nem do mandato de Cunha. Vai entender…

 

Fonte: Pragmatismo Político

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *